Assinatura RSS

Arquivo do mês: outubro 2015

Um canal no youtube pro Saída à Francesa

Publicado em

Minha admiração pelo youtube só cresce. Me lembro que a primeira vez que tomei contato com essa ideia, fiquei muito assustada. Eram cenas de violência, escatologia, só coisa repulsiva Cheguei a ficar muito desconfiada de tudo que vinha do youtube. Dá pra acreditar que isso foi há apenas dez anos?

Depois, ao longo do tempo, fomos nos conhecendo melhor. Aprendi que podia contar com o youtube como uma ferramenta de aprendizado para cozinhar, para limpar coisas difíceis, para esconder as olheiras, para estudar Direito, para ver patinação no gelo, para rir, para chorar, para ver documentários, relembrar cenas de filmes, ouvir música e aí! Descobri uma nova função: para conhecer pessoas.

Vivendo em outro país, senti muita necessidade de conhecer a experiência de outras pessoas que, assim como eu, viviam em países diferentes. Conheci o Canal da Cintia Disse que vivia no Canadá, da Flávia Calina, que vive nos EUA, da Gisele Dal Pai que vive em Londres, da Cacau que vive na Suíça e tantos outros. Depois disso conheci outros canais, sobre temas que me interessavam muito também: Educação, Economia, Direito, Biologia, Vegetarianos, Universo da mulher, Consumo Inteligente, Conflitos políticos, etc etc. Conheci canais franceses, americanos, italianos, espanhóis. Gente do mundo todo que, de alguma forma, coincidia ou me acrescentava em algo. A solidão de não ter muitos amigos presentes aqui na França era compensada pela companhia dos youtubers que, generosamente, ensinavam o que sabiam (sim, porque são raros os que podem viver disso, a maioria faz por gosto de compartilhar mesmo). E mesmo após encontrar amigos, era uma alegria descobrir que apreciávamos os mesmos canais. Televisão virou raridade na minha vida. O que as pessoas reais tinham para ensinar parecia mais especial, e mais real (alguns enganam bem, mas acredito que a maioria seja sincera ainda!).

E eu, com minha mania de blogs, pensei que talvez pudesse ampliar isso, vencer um pouco mais esse medo e tentar contar e mostrar as coisas que julgo importantes de outra forma.

Foi aí que criei o canal do meu outro blog, Direito é Legal, e agora crio o deste blog Saída à Francesa, com cenas feitas do celular ou máquina, edição linear ou não.

Espero que goste, mas mesmo se não gostar, espero que possa aprender alguma coisa. Que seja uma pequena porção de bem para o seu dia, como tantos outros canais o são para mim!

Aí vai.

O canal!

O último vídeo:

Quanto vale um “não sei”

Publicado em

Ontem encontrei alguns amigos e entre eles algumas pessoas que eu não conhecia. Uma delas, me pareceu muito simpática. E ela falava sobre filmes, fotografia, viagens. Interessante. Numa das conversas, a pessoa  contou que a França cabia quatro vezes dentro da Argélia, mas que metade da Argélia era deserto. Achei curioso. Aí a pessoa continuou “e quantas vezes cabe a França dentro do Brasil”? Eu nunca tinha procurado essa informação, mas tentei chutar umas 22 vezes. A pessoa balançou a cabeça com dó. Chutei então 15 vezes, a pessoa sorriu e falou “não, na verdade 17 vezes”. Uau! Ficamos impressionados eu e mais alguns amigos ao redor! Perguntei “Como você sabe dessas coisas?”. “Ora, eu leio muito”. Poxa, parabéns! “Gosto muito de Geografia”, completou. Eu também gosto muito de Geografia, mas é certeza que não sei tudo, aliás, algumas coisas que não sei me dão até vergonha, mas acontece.

Perguntei então quantas vezes caberia a França dentro da Rússia. “A Rússia não é mais tão grande”, me disse. Concordamos. Depois do fim da União Soviética, hoje vemos a Rússia menor, mas ainda é muito grande, insistimos. “Não, não é”. A pessoa repetiu. E acabou chamando atenção de mais gente. “A Rússia é menor que a Ucrânia”, afirmou. Achei melhor pegar meu celular. Com a era smartphone não existe mais discussão desse gênero. Todo mundo se agrupou. As pessoas queriam apresentar provas do tamanho da Rússia. Já não era mais uma questão de Geografia. Queriam combater uma ideia. E o pior, estavam combatendo um pensamento muito forte: a arrogância. Parecia perigoso, para os dois lados. Uma pessoa em condição de ser quase humilhada pode ficar perigosa. E o que ganharíamos com isso?

Finalmente, conseguimos mudar de assunto antes que tudo ficasse muito constrangedor. O mesmo ser amante da Geografia começou a falar de um show de jazz que foi assistir. Ótimo! Quem tocava no show? Ele falou o nome. Ah, não conheço. “Nossa, então você não sabe nada de Jazz”.

Informações complementares: Segundo o google, o Brasil mede 8.516.000 e a França mede 640.679 km² (e segundo a wikipedia 543 965 – isso se deve, talvez, por conta de territórios ultramar que a França possui). Dividindo um pelo outro, pela referência google o Brasil comportaria 13 Franças inteiras e mais um pedacinho, e pela referência wikipédia, 16 Franças inteiras e mais um pedacinho. O Brasil caberia duas vezes e um pouquinho dentro da Russia (de tamanho 17.100.000 pelo google), o que dá em torno de  26 Franças dentro da Rússia, se contarmos pela versão do google!

Ame Geografia!