Assinatura RSS

50 nuncas de 2016 e obrigada por não perguntar

Publicado em
50 nuncas de 2016 e obrigada por não perguntar

Quantos anos você viveu neste ano?

Foi muita água por debaixo da ponte. E o mais engraçado que é não foi só comigo. Parece que todo mundo viveu uma revolução coletiva. Mas daquelas revoluções descabeladas mesmo!

Em março eu estava me mudando da França para o Brasil. E mudei mesmo. Fiz festa de despedida. Chorei. Todo mundo chorou. Foram despedir no aeroporto, levei minha gatinha Azzuca, muitas lembranças, muita saudade e aterrissei no Brasil pré-impeachment.

MANO!

Corta para seis semanas depois, eu trocando todas as milhas por uma passagem só de ida para a França de novo.

Achei que teria que passar a vida explicando para as pessoas no Brasil e na França porque eu fiz isso. Mas, ao contrário, quase não perguntaram nada. Todo mundo parecia entender. Então, gente, obrigada de coração!

E aqui vamos seguir a tradição deste blog e fazer uma lista de nuncas positivos em 2016. Esta foi difícil de editar, viu?!

Meu amores, um 2017 muito melhor pra todo mundo! Sobrevivemos!

SONY DSC

  1. Conheci a Irlanda!

Cork, Dublin e Galway. E tudo deu certo! Mesmo quando sumiram com minha mala e computador no hostel, meu escândalo permitiu que encontrar uma turma ótima que me fez companhia o resto do tempo, além de reencontrar minhas coisas. Foi em Dublin, sozinha, que conheci as pessoas mais amigáveis e queridas! Revi Livia e Katerina!!! Foi perfeito! Sério! Perfeito!

2. Fui ao show da Adele!

Em Dublin! Havia descoberto uma semana antes, comprado um ingresso baratíssimo e fiquei colada no palco, tanto que ela passou cumprimentando todos da frente e adivinha: peguei na mão inglesa da diva! Aposto que até hoje Adele ainda não lavou a mão (contei essa piadinha o ano inteiro!).

3. Conheci Budapeste.

Esta viagem me custou conseguir. Mas valeu! Na companhia da minha colega desde a época da Comunicação, eu e Julinha frequentamos um karaokê todas as noites para soltarmos a voz. Todos os caminhos levavam ao nosso hostel e tudo era bem mais barato que na França.

 

4.  Fui ao Sziget! Um dos grandes festivais de música da Europa.

Foi assim que no último dia, depois que Julia já tinha partido, consegui um ingresso a bom preço pra viver essa experiência. De novo sozinha, me encontrei com Manu Chao, Bastille e fiz aquelas amizades que duram poucas horas, mas são boas. Continuo sem saber falar Húngaro…

5. Mudei de casa muitas, muitas vezes.

As vezes minha conta dá 9 vezes, outras 7. Mas isso foi apenas até agosto. Me mudei de casa, de país, de continente e fiz tudo de novo quando voltei. Minha coluna se retorceu completamente nessas idas e vindas. A cada vez que morei com um amigo, amiga ou sozinha tive que me adaptar com uma coisa nova, uma mania, uma proibição, um barulho e um cheiro diferente. Algumas noites eu acordava e não tinha noção de onde estava, de quem eu era. É o tipo da experiência que te faz rever um tanto de coisa, principalmente o que a gente precisa mesmo carregar. E olha que fiz tudo por escolha própria. Mas foi difícil. Obrigada a todas as pessoas que me ajudaram nessa vida meio de cigana.

6. Consegui a primeira página do jornal.

Duas vezes com matérias minhas, outra vez com uma informação em primeira mão que consegui correndo atrás da polícia!

7. Viajei com um gato no avião da França pro Brasil.

Hoje Azzuca vive no Brasil e eu voltei. Mas ela e meu pai criaram laços!

8. Mais de mil seguidores no Youtube.

Ao mesmo tempo que tenho vergonha de mostrar meu canal para meus amigos, adoro quando chega mais gente. Difícil explicar.

9. Menos 10 Kg

Passei a vida meio desagradada com meu peso. Um lado era pela cultura da magreza mesmo, outro por minha conta e minhas curiosidades. Eu queria saber como era ser mais magra. Um ano com tantas mudanças de casa, tanta falta de estabilidade, tantas decepções acabou ajudando nisso. Mas teve a questão de eu tentar comer menos açúcar e variar mais do gluten (mas não cortei nada além da carne). Além disso, houve uma fase em que trabalhei todos os dias, sem descanço semanal. E aqui em Avignon é possível fazer tudo à pé ou de bicicleta. Em BH eu também tentei, mas teve um dia que tive que negociar com o ladrão para ele só levar 7 reais… O que importa é que finalmente olho para o espelho e falo “ah, tá bom”! E vou me concentrar em outras batalhas. Tomara que consiga manter essa colheita.

10. Virei família de acolhimento de gato.

Uma espécie de abrigo para gatinhos sem casa, em parceria com a Associação de proteção animal. Foi assim que Harry veio parar na minha vida. E ele é igual à Azzuca, o que causa muita confusão nas pessoas!

11. Teve polícia e ambulância na minha festa de aniversário

Mas está tudo bem. E foi maravilhoso!

12. Pode ser estranho, mas este foi o primeiro ano que eu mesma abri minha garrafa de vinho.

Posso abrir a sua também! 😉

13. Comecei a fazer a própria unha do pé e da mão e aceitar como razoável.

E rápido!

14.Convenci um homem a mudar sua atitude com relação ao seu cachorro.

Aí vai a história: Enquanto eu ia para o supermercado, vi um filhotinho estava com muito medo de andar na coleira e o rapaz ia perdendo a paciência e estapeando o cachorro quando decidi agir. “Que lindo seu cachorrinho!”. “Ele é filhote e não quer sair na coleira”, “Ah, o tempo de adaptação, dizem que precisa de muito carinho e atenção para adaptar mais rápido”, “É?”, “Cara, você tem muita sorte, ele vai ser um grande amigo ”. Ele começou a coçar a cabecinha do bicho, acariciar as orelhinhas! Na saída do supermercado o cachorro já estava lambendo o rosto do moço que acenava pra mim! Quero acreditar que deu tudo certo.

15. Batata doce. Uma paixão revelada este ano.

16. Passei o dia dos namorados tanto brasileiro quanto francês oferecendo flores para estranhos na rua e recebendo todo tipo de reação em retorno. Inclusive péssimas e lindas respostas. Perdôo vocês, seus rabugentos.

17. Descobri que meu ascendente é escorpião ao invés de capricórnio. Não que isso mude alguma coisa.

18.Descobri o que é a síndrome do regresso. E entendi muita coisa.

19. Conheci Strassburgo. A cidade da epidemia de dança!

20. Vi a super lua. Com os amigos.

21.Fiz amizade com uma trupe de teatro no meio da rua apenas porque começamos a dançar juntos. Depois eles vieram na minha festa de aniversário (aquela mesma da polícia e da ambulância).

22. Baixei, usei e deletei o Snapchat.

23. Aconteceu uma coisa maravilhosa! Uma das minhas cantoras preferidas de Belo Horizonte virou minha amiga. De verdade!

24. Fui em dois cafés com gatos. Um conceito que ainda não vi aparecer em Belo Horizonte. Mas tem para todo lado no mundo.

25. Meu quarto, no último apartamento em que morei, virou uma pista de dança. Agora a sala é lugar de comer e logo ao lado, descobriram que este lugar é um ótimo lugar para dançar. Um sonho tornado realidade!

26. Passei uma tarde saltando num pula-pula! E em ótima companhia. Outro sonho tornado realidade.

27. Fui num desfile de moda com credencial de jornalista francesa.

28. Consegui respeito da polícia francesa porque falei que era advogada. Porque enquanto eu era só uma imigrante…

29. Finalmente assisti a um TEDX e foi maravilhoso.

30. E na semana seguinte, cruzamos com um dos palestrantes num restaurante. Cumprimentamos! Ele sentou na nossa mesa, ofereceu vinho pra todo mundo e falou até!

31. Ganhei terceiro lugar num concurso de fotografias no instagram. Viva Instamission!

32. E por falar em foto, vi meus amigos mudarem de foto no facebook quando parti de Avignon. Tão lindo o filtro-Didi. Eles não esperavam mesmo que eu voltasse! Haha

33. Comecei a escrever para a página Razões para Acreditar! Amo.

34. Conheci um grupo em Belo Horizonte de pessoas que saem para praticar o Inglês. Muito legal!

35. Vi um tanto de chefões do Brasil serem presos. Com a mesma surpresa!

36. Decidi começar a falar para a gente em geral quando a atitude deles me desagrada muito. É tipo uma crítica construtiva. Mas nem sempre funciona. E tem que ver se não estão armados antes. Sigo tentando. Acho a ideia positiva.

37. Comecei a fazer compostagem.

38. Descobri Calle 13. Com meu amigo libanês que me acolheu um mês! Que lástima que não nos descobrimos antes!

39. Conheci o Museu da Civilização Mediterrânea em Marseille

40. Conheci o Museu de miniaturas de cinema em Lyon. Que lindo!

41. Conheci Roma. Que lugar!

42. Conheci o Vaticano. E vi a Capela Sistina.

43. Em Roma, tive a oportunidade de despedir de um amigo, sentada no alto da praça, de madrugada, dividindo uma garrafa de vinho e filosofando sobre a vida! Todas as despedidas deveriam ser assim.

44. Conseguimos correr atrás de um assaltante em Nimes e recuperar um celular. Não recomendo fazer isso no Brasil porque geralmente estão armados.

45. Conheci uma poeta premiada de Haiku.

46. Conheci um super urbanista francês!

47. Conheci Ina, que interpreta Solange, e é minha youtuber preferida na França.

48. Passei uma tarde fazendo fotos e também posando para elas na frente da torre Eiffel.

49. Virei doadora de plasma!

50. Reuni Peter e Azzuca! Meu cachorro e minha gata. Com as duas melhores pessoas que conheço: meus pais.

Além disso, 2016 foi um ano realmente difícil. Felizmente o organismo aguenta uns trancos! E a vida continua valendo a pena.

Vou passar o réveillon entre amigos e família, mas tinha imaginado outra coisa. Fantasiei que eu podia chegar à meia noite andando por uma rua deserta e gelada e deixando o ano para trás. De repente, começa a tocar aquele inicinho legal de Bitter Sweet Symphony e eu continuo andando e despedindo do ano até que percebo que este é o som do despertador. Acordo. Tenho 15 anos e 2016 não passou de um pesadelo daqueles que acontecem quando a gente dorme demais!

img_6020

img_5184

img_5740

Atualização! Lembrei de um nunca muito importante! Fui na formatura de um ex-aluno que há 12 anos estudou comigo. Gustavo virou engenheiro e muitos outros viraram profissionais e até colegas de profissão. Um dos meus passados mais gloriosos foi ser professora. Espero um dia retomar essa prática!

Aproveito pra deixar mais umas fotos!

 

 

 

Anúncios

Sobre Didi

Brasileira, mineira, advogada, professora e ex-professora. Comunicóloga nas horas vagas. direitoelegal@gmail.com

Uma resposta »

  1. Amo ler os seus textos!! Você escreve de um jeito simples e divertido.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: