Assinatura RSS

Crises e epidemias… que hora boa pra voltar pro Brasil

Publicado em

Era um jantar entre amigos e fomos perguntar pros espanhóis sobre a monarquia no país deles. Pra quê? A coisa ficou quente. Sendo um país com inúmeros movimentos separatistas e muita revolta efervescente no seu povo, achamos melhor mudar de assunto. A americana não queria comentar sobre a possibilidade de ter um Trump pra chamar de presidente. Os italianos queriam esquecer o passado recente e o sírio preferia nem começar. Foi quando olharam pra mim. Fala do Brasil, Diorela. Como será a volta pro seu país?

Então senta que lá vem a história!

Meu país é muitos. E é muito rico. Existe uma diversidade e um encanto no Brasil que eu ainda não reconheci em outros lugares. Temos cores, temos espaço, temos terra que tudo dá, uma criatividade que brilha, belezas naturais e artificiais, o povo mais divertido que já conheci, uma constituição da república muito respeitável, um mar enorme pra chamar de nosso, florestas, pântanos, montanhas, todo tipo de alimento. Temos música pra falar de tudo. Um cinema de aplaudir de pé. Trabalhamos o dia inteiro e estudamos de noite. O sol põe todo mundo pra fora da cama. Somos sorridentes, amamos dançar e temos uma forma de ver a vida que devia ser patrimônio da Unesco. Apesar de tudo, estamos nos perdendo. Não saímos mais para praças e parques. Nossos programas são ir para o shopping ou ver a televisão que é sempre o centro da casa. Nos acostumamos a subir dois andares de elevador. Comemos porcarias demais. Ainda não pensamos muito em separar o lixo. E o pior de tudo, estamos desaprendendo a nos amar.

No meu país tem faltado água, tem faltado investimento em coisas básicas. Os hospitais estão sem antibiótico. As escolas, sem merenda. Muitos bebês tem nascido sem um pedaço do cérebro e a gente não sabe o motivo. Os mosquitos voam doenças sobre os brasileiros e viramos um bingo de epidemias. Minha Minas Gerais está morrendo porque só sabia viver de minas. E as minas nos cortaram inteiros. O Rio Doce ficou amargo. No governo, não há governo. Temo um jogo sujo e alguns ministérios de brinde. Na televisão daqui, já somos piada para os portugueses, quem diria. E as pessoas não sabem mais quem defender, quem acusar. Descobrimos que só temos santos em feriados. Mas ainda não temos feriado bom. Está difícil andar tranquilo nas ruas. Com a economia tão mal, a violência tem aumentado. E com ela o ódio à diferença. Muitos de nós seremos substituídos por máquinas, mas isso é no mundo inteiro. O trabalho já não será como antes, e eu não queria me entregar a quem ganha para destruir. É do fundo do poço que a gente vai ter que criar um impulso mesmo.

Mas não posso reclamar. O Brasil sempre me recebeu bem. Mesmo pra uma não religiosa é bonita a imagem do redentor de braços abertos acolhendo o horizonte. O povo brasileiro é, em sua grande maioria, formado por uma gente maravilhosa. Somos corajosos, trabalhadores, interessados, criativos. Nossa força está nisso e teremos que nos reinventar. Alguns grandes começaram a ver o sol nascer quadrado e aos poucos talvez serão muitos outros, de forma multipartidária, também irão. A justiça ainda é muito estranha no meu país, mas com as redes que temos feito, se a gente se importar em abrir um pouquinho a cabeça pra quem pensa diferente, talvez consigamos uma verdadeira revolução. A forma de ganhar e viver com dinheiro terá que mudar e estamos começando a entender isso também. Talvez seja a hora de aprendermos que somos nossos próprios redentores. E ninguém nos representa mais. Com aqueles mesmos braços que abraçam tão bem (no que a gente chama aqui na França de « carinho brasileiro »), podemos trabalhar e unir forças para reconstruir e nos ajudarmos como nação. Tive muita sorte de poder aprender algumas coisas que talvez sejam úteis nessa hora. Adoraria poder colaborar quando voltar pra minha terra.

Alguém quer sobremesa?

IMG_4753

 

Ps. “Faut rêver” pode ser traduzido como “é preciso sonhar”!

Anúncios

Um ano sem carne

Publicado em

No final de 2014, conversei com meus amigos sobre um possível projeto #2015semcarne. Muitos acharam que seria impossível. Mas eu queria tentar! E agora que consegui, venho aqui falar deste projeto.

A motivação para isso surgiu de muitos e variados pontos. Permita-me explicá-los aqui :

A primeira questão era por piedade com os animais mesmo. Eu não sentia que era preciso sacrificar tantos animais se poderia substituir a carne tão facilmente.

A segunda questão é que nunca gostei muito de carne. Entendo que podem ter sabores deliciosos, mas ainda acho que estão mais ligados ao molho e ao tempero que à própria carne. Costumo dizer que eu sempre fui vegetariana e só depois dos 30 tive coragem de dizer isso pra sociedade.

A terceira questão foi com a cultura da França (país onde moro atualmente) de comer pratos apenas com carne (uma carne toda decorada no centro do prato e nenhum acompanhamento que sustenta, como arroz, massa ou batatas). Comendo apenas carne, meu cérebro não entendia que eu tinha comido. E continuava pedindo comida (leia-se carboidratos, ou pelo menos uma salada cheia) o que me causava certo stress.

A quarta questão era uma dificuldade na comunicação da minha forma de alimentação. Era complicado recusar os pratos oferecidos na casa de alguns amigos franceses onde a única opção era um coelho, um pombo, uma lagosta que morreu gritando dentro da panela. Além de ser muito diferente da minha cultura o contato com esses pratos, era muito difícil explicar que não me despertavam interesse gástrico e ao mesmo tempo dizer que não era vegetariana, só não queria comer aquelas carnes. É estranho até para escrever isso agora!

A quinta e última motivação veio de uma gatinha que peguei na rua, e que precisou ser operada. Tive muita dificuldade para achar uma família para adotá-la. E até encontrar a família perfeita para ela, gastei muito tempo, dinheiro e energia para que ela ficasse bem. Tudo porque ela me inspirava compaixão. Nessa experiência pensei que não faria sentido chegar em casa e comer um hambúrguer, tendo me esforçado tanto para salvar um animal.

Explicados esses pontos, aproveito para ressalvar que estes comentários não se aplicam a situações extremas de muita fome ou de grande necessidade. Em situações de desespero muitos dos nossos conceitos e padrões mudam. Nada aqui se aplica a casos limite.

Tendo em vista essas considerações, decidi no dia 31 de dezembro de 2014 que em 2015 não seria consumidora de carne. Junto a essa decisão, resolvi outras coisas: Não compraria nada que tinha carne (lembrando que peixe é carne), molho de carne, tutano (como gelatina e aquelas balinhas molengas) e ou qualquer coisa do tipo que fosse substituível por algo mais sustentável no meu consumo (incluindo cosméticos muito duvidosos e roupas e acessórios de couro ou peles substituíveis – continuei usando o que de couro eu já tinha).

Os temperos sabor carne que já existiam na minha despensa, não joguei fora. Usei normalmente para não perdê-los, afinal o estrago já estava feito e eu não iria desconsumir uma coisa. Achei que a forma mais respeitosa com relação à morte daquele animal, naquele momento, seria pelo menos terminar de usar o que ainda existia no armário e não comprar mais.

Outra coisa, se em alguma refeição, oferecida por amigos, a comida vegetariana tivesse tido contato com a carne, eu iria comer assim mesmo para não criar uma repulsa à ideia do vegetarianismo. O importante era a pessoa respeitar e deixar sempre uma opção vegetariana para quem não queria carne. Muitas vezes, quem convidada já fazia um prato só, somente vegetariano. E isso era lindo. Também passei a convidar muita gente pra minha casa, oferecendo sempre alguma receita que não levasse carne como risotos, lasanhas de beringela, quiches. Até a minha chefe do restaurante, que fazia tortas cheias de bacon, lançou a semana Vegana e Vegetariana com sabores diferentes que fizeram o maior sucesso.

Percebi que depois que anunciei a minha escolha como « Sou vegetariana » tudo ficou mais fácil para as pessoas entenderem. Embora muitos ainda achem que eu coma peixe ou camarão. Mas não como não, viu.

Uma decisão que acho importante, e até política é de perguntar em todos os restaurantes por opções vegetarianas, mesmo se eu quiser comer apenas a sobremesa. No Mac Donald’s eu já sabia que não tinha a opção de sanduíche vegetariano, mas perguntei assim mesmo só pra saber a resposta do gerente. E o gerente na França me disse que achava que isso não atrairia muito o público. Que não era uma questão da atualidade. Por isso recomendo que quem quer ser vegetariano, passe a perguntar no Mac Donald’s também e em todos os outros restaurantes e lanchonetes, só para eles saberem que existe o interesse. #cadeopcaovegetariana

Quando em algum restaurante não tinha nada vegetariano, eu não gritava, nem fazia escândalo. Só falava « que pena », agradecia e saía. Quando era obrigada a ficar, pedia um suco ou café.

IMG_5555

(mercadinho de Oslo com deliciosas opções pra uma refeição perfeita e sem carne. Não sou eu na foto, só bati!)

A minha escolha foi ser vegetariana e não vegana. No meu entendimento atual, acho que não é necessário maltratar um animal à morte para termos queijos, leite, ovos. Eu sei que o mundo ainda é muito cruel com todos eles e que a indústria é a mesma. O leite que você bebe era para ser dado ao bezerro que virou o vitelo do restaurante da esquina. A vaca leiteira, depois de velha, também vira bife. A galinha que bota o ovo também vai pro prato. Eu sei disso. E acho horrível. Mas ainda acho que a minha opção alimentar não implicaria necessariamente nessa covardia. Ela existe porque ainda não nos organizamos de forma a comprar apenas de produtores éticos. Coisa que tentei com muito custo fazer na França. Para os ovos é mais fácil porque lá existe uma lei que te permite comprar ovos de acordo com a qualidade de vida das galinhas (vem informado nas caixas). Mas para o leite, o único lugar que descobri que tinha uma produção respeitosa de leite era muito longe, e os produtos não chegavam até onde eu precisava. O que fiz foi reduzir o consumo. Mas não cortei.

Feitas essas considerações, não tive grandes dificuldades durante o ano. Não passei fome, nem emagreci, nem engordei. De alguma forma, senti muito mais energia durante o ano, mas não tenho como provar que foi por conta da minha dieta.

Substituí a carne por várias coisas, uma delas era o champignon de Paris quando eu estava na França. Esses champignons são extremamente suculentos e valorizam bem o prato. Não deixando nada a desejar.

Já no Brasil, morro de amores pelos bifinhos de soja, típicos da casa da minha avó. Mas também adoro pratos com berinjelas, bifes de aveia, batatas recheadas, tomates com manjericão e muito azeite!

Não adoeci em 2015. Mesmo tendo passado por circunstâncias de baixa imunidade. Na minha cidade, consultei uma naturopata (espécie de nutricionista que analisa a sua alimentação e saúde em relação ao seu emocional e seus hábitos) e ela disse que minha alimentação estava ótima, que era perfeita para o meu tipo físico e o tipo de vida que eu levava!

Meu maior problema com a dieta veio do cinismo de algumas pessoas, dos comentários desnecessários de outras e até da intolerância de outras. E é impressionante a reação que a intolerância causa. Quanto mais as pessoas criticavam a minha escolha de não comer carne, mais eu queria não comer carne (compare isso com outras coisas para as quais somos tão intolerantes também!). Então, o projeto que era só para 2015, agora vai continuar…

Comer menos carne é uma necessidade do ser humano se quiser preservar o meio ambiente. Para produzir um quilo de carne é necessário produzir muitos quilos mais de outros alimentos. Isso cria uma conta que não fecha se você considerar o número de pessoas que existem no planeta. Nem estou falando para todo mundo virar vegetariano (ideia até muito simpática, mas nem estou falando disso). Na China, por exemplo, eles comem carne, mas é bem pouquinho, porque são muitas bocas para alimentar. Então são pedacinhos do tamanho de um dado, jogados sobre um macarrão ou um arroz. Na Inglaterra, o projeto Meat Free Monday (segunda sem carne) de Sir. Paul McCartney ganhou grande popularidade e lá, qualquer lanchonete, por menor que seja, tem no menu um prato para vegetarianos.

De uma forma geral, existe tanta opção de coisa gostosa pra gente colocar na panela que me parece falta de criatividade termos que comer carne em toda refeição. Não estou falando de casos extremos de quem não encontrou outra alternativa, ou de quem precisa de uma dieta específica com carne. Estou falando de gente que pode escolher ser diferente. Que pode escolher comer menos carne, fazer um equilíbrio na dieta entre seus gostos e o que entende que pode ser melhor pra própria saúde e pro planeta. O Brasil nem é um país frio pra gente se empanturrar tanto com tanta gordura animal como fazemos. Vamos pensar nisso !

Por último, e não menos importante, eu mantive como propósito não ser considerada muito chata como vegetariana. Um pouco, tudo bem! Neste texto escrevo o que esperei um ano para contar. Tento, na medida do possível, não ficar pregando para as pessoas sobre o vegetarianismo, porque cada um tem seu tempo e não adianta tentar convencer ninguém que não quiser mudar. O meu tempo foi em 2015. E me fez muito bem. O seu pode ser em 2016. Mas isso é uma coisa que só você pode saber!

IMG_5335

(oi!)

Se gostou, ajude a compartilhar esta ideia e este texto!

Utilize também as tags durante o seu ano:

#2016semcarne

#menoscarne2016

#meatfree2016

#cadeopcaovegetariana

#goveggie

IMG_4136(mesa montada para uma noite vegana entre amigos)

50 nuncas de 2015

Publicado em

Ah, 2015. Este ano pregou muitas peças na minha vida, e imagino que na sua também. As vezes o balanço é até doloroso. Entre crise, terrorismo, discurso de ódio, racismo, intolerância, gente estranha e gente falsa… parece não ter sobrado espaço para coisas boas. Mas sobrou, gente. Cada um tem na vida bons frutos a recolher, tenho certeza.

Como há alguns anos tenho feito a lista de 50 coisas que nunca tinha feito antes e que fiz naquele ano, pensei em fazer um esforço para encontrar mais 50 nuncas pra este 2015. No início foi difícil, porque tenho por meta só colocar coisas boas na lista a ser relembrada. Depois consegui até passar de 50 e tive que editar pra ficar bonitinho. Caso seja do seu interesse, dê uma olhada na minha lista. Pode ser que ela te lembre do lado bom do seu ano também.

  • Aceitei couchsurfers pela primeira vez (sim, só temos nuncas nesta lista !). E recebi pessoas da Alemanha e da Áustria muito simpáticas, mas que estranhamente não conheciam The Sound of Music ! O.o
  • Conheci a Escandinávia, que é ponto central do grupo de estudos criado com uma amiga (Idéias da Escandinávia). Na verdade apenas Oslo, na Noruega ! Mas adorei. Quem quiser participar do grupo de estudos, deixe o contato nos comentários.

IMG_5347(Oslo, Noruega)

 

  • Encontrei Livinha em Avignon, que chegou bem no dia meu aniversário, pulando de alegria!
  • Encontrei Silvinha em Avignon e fui com ela à super prisão do Conde de Monte Cristo em Marseille e do homem da máscara de ferro.
  • Encontrei Luísa em Avignon e descobri como fazer malas à vácuo e fotos de uma pessoa ruiva!
  • Comecei a trabalhar com moda, para a By My Hands Fashion, e descobri um outro mundo da confecção que pode ser feita com ética. Além disso, adorei poder trabalhar de novo com a Pati, minha ex-chefe advogada. Participamos do Fashion Revolution Day e mudamos muito nossa forma de consumir também.

IMG_3342

  • Comecei a escrever para um jornal francês e ralei muito para conseguir publicar em outra língua.
  • Fiz uma doação para a wikipedia e para o crowdfounding de um projeto importante. Aprendizado que recebi da minha mãe. Se é importante pra gente, e podemos contribuir, tentemos!
  • Vivi quase um mês em Milão, na Itália, com minha família amada que só andava pela casa dançando e cantarolando! Antes disso, aprendi a falar o básico do italiano com uma amiga muito querida.

IMG_5591

(pomba posando pra mim na praça principal de Milão, a mulher logo atrás também fez pose)

  • Virei colunista de um site de slow lifestyle ( Review) e me senti ainda mais próxima de um estilo de vida minimalista e cuidadoso que me atrai muito.
  • Participei de um capítulo de um livro espanhol sobre a judicialização da saúde no Brasil.
  • Conheci o interior de São Paulo (Itu, Sorocaba, Brotas e São Carlos).
  • Aproveitei uma tirolesa gigante em Brotas! E conheci as chamadas « areias que cantam ». Brotas é uma cidade incrível, que vale a pena.

_MG_9755

  • Morei meses com uma peruana (Pamelita!) e comemos muito arroz com batata juntas para desespero dos franceses!
  • Fiz uma grande viagem de milhas, o que me permitiu passar na Inglaterra só para jantar.
  • Trabalhei no mercado de Avignon durante o festival de teatro e entendi o que era ser invisível.
  • Conheci Veneza, a primeira cidade capitalista do mundo ocidental. Florença, a cidade de Da Vinci e Galileu. E Verona, a cidade de Romeu e Julieta. Morri de amores pela Itália.

  • Cozinhei um quiche com leite azedo tido como perdido e ele ficou ótimo.
  • Ganhei um desenho de um garotinho da Tanzânia que conheci no trem. Ele não tinha lugar para sentar, e se apertou com a gente nas cadeiras. A mãe dele me lembrava muito diversas mães brasileiras, que apesar de extremamente pobres, só espalhavam amor.
  • Descobri que franceses dão espaço entre as palavras e os pontos de exclamação e interrogação e finalmente entendi porque o meu Word faz assim !
  • Passei todo o ano sem comer carne. E não foi tão difícil assim. Cumpri meu projeto #2015semcarne! E vou continuar.
  • Produzi o VEDA ( Vlog Everyday April) para o canal do youtube Direito é Legal.

  • Fiz o projeto s2 Frágil em Madrid e Avignon, um projeto de levar mais consideração ao coração alheio, criado pela jornalista e amiga Sabrina Abreu.IMG_5400
  • Fui num congresso de Economia Criativa em Madrid
  • Consegui ver o quadro O Grito! em Oslo e o Nascimento da Vênus em Florença. Dois sonhos !
  • Fui apresentada ao Fram, o navio dos conquistadores do Pólo Sul. « Pólo Sul » é um dos livros preferidos do meu pai. E como eu gostaria que ele estivesse comigo nesse dia.
  • Participei de uma passeata pela paz na França. Logo depois do primeiro atentado em janeiro. Foram milhões de pessoas. Emocionante. Mas vimos que é preciso mais, muito mais que isso.
  • Dei uma festa à fantasia. Duas, na verdade, considerando que a primeira era normal, até que chegaram umas pessoas fantasiadas porque entenderam errado o convite e aí todos nos fantasiamos para eles não ficarem sem graça! Eu amo essa turma.
  • Conheci Clermont Ferrand, Sisteron e Orleans, na França. Três cidades lindas.

  • Passei um domingo inteiro num café conversando e fazendo projetos com uma amiga! Um domingo inteiro ! Num café! Conversando!
  • Escrevi para a presidente (do Brasil) dando algumas sugestões – sempre de forma cordial e respeitosa –  e para a prefeita (de Avignon) também dando outras sugestões. Nenhuma das duas me acolheu. Mas não desistirei.
  • Conheci uma pessoa que conhece uma pessoa que conhece a atriz que fez Amelie Poulain! Estou chegando perto do meu sonho.
  • Fui chamada pela Flavia Calina (vlogger sobre educação infantil) para um café com ela (mas não pude ir) ! Convite via e-mail. Foi outro sonho. Que infelizmente ficou distante.
  • Reencontrei meus alunos 10 anos depois do fim das aulas! E foi maravilhoso! Maravilhoso!
  • Fui fotógrafa do casamento de uma amiga em Nimes, na França. Ela se casou vestida de By My Hands e foi a nossa noiva modelo!

IMG_1284

  • Reencontrei o lado perdido da minha família na Itália. E vivi um dos dias mais gloriosos da minha vida ! Eles nos receberam de braços abertos, como se nunca tivéssemos separado. Sangue do meu sangue!
  • Pela primeira vez deixei um bilhete para o lixeiro. E alguém deixou presentes pra mim na porta de casa. Não nessa ordem.
  • Fizemos um jantar totalmente vegano lá em casa com excelente adesão. Em outro dia, produzimos um enorme encontro de thanksgiving onde cada um dos 26 convidados levou pelo menos uma notícia boa. E finalmente, fizemos outro jantar com gente do mundo inteiro, onde cada um contou sobre o que amava em seu país. A vida faz muito mais sentido pra mim quando esses encontros acontecem.
  • Assisti a um evento pelo skype, graças a minha prima querida que ficou segurando o telefone enquanto eu via o resto da família participar.
  • Aceitei um convite para tomar um chá com estranhos que conheci na rua, num domingo de tarde (eram um casal). E como não senti que a situação era forçada, aceitei. Foi ótimo!
  • Conheci a sala Minas Gerais em Belo Horizonte com uma orquestra sensacional e bati palma até parar de sentir as mãos !
  • Aprendi a fazer sabão e fiz ! Valorize o seu sabonete artesanal, viu?!
  • Perdi um avião (por culpa da companhia) e conheci uma turma muito legal com quem passei quase 24h conversando!
  • Escrevi 33 textos no projeto « 33 textos antes dos 33 anos » em 33 dias. Estão todos aqui no blog, ou com links para eles. Criei a página escrevo.me onde coloco alguns textos e projetos para ficar com uma cara profissional!
  • Aderi ao Low Poo (uso reduzido de shampoo) e gostei do resultado! A gente se faz mal achando que estamos fazendo bem. Não precisamos esfregar tanta coisa no couro cabeludo para ele ficar limpo. Sério.
  • Tive uma reunião profissional em Paris, o que me fez sentir extremamente feliz ! E mais adulta do que nunca!
  • Fui almoçar na casa da moça que trabalhou por anos na casa da minha avó e aprendi muita coisa com a simplicidade da cozinha dela que deixa a comida no ponto certo (pro meu paladar!).
  • Gravei um podcast com as minhas amigas ! Agora estamos esperando o aparelho em que foi gravado ajudar para conseguirmos publicar.
  • Presenciei um casamento lindo de pessoas de mais de sessenta anos se casando pela primeira vez !
  • Participei de um flashmob, pela semana da gentileza. Finalmente! Fazia tempo que eu queria viver esse nunca.

IMG_0438

Feliz 2016, amigos! Sejamos maiores que os nossos problemas.

Não somos hamsters: a amizade com o sexo oposto

Publicado em

Quando eu era pequena, sempre que pedia um cachorro pra minha mãe, ganhava um passarinho, um coelho, um girino, uma cobra, um pato, uma galinha, uma chinchila, uma codorna, tudo, menos um cachorro.

Certa vez, ganhei dois hamsters. E esperta que era, escolhi um macho e uma fêmea, para ficarem amigos.48csv

Fomos lá naquele espaço asqueroso do Mercado Central de BH, que hoje é investigado pela CPI dos maus tratos, e compramos um casal. Naturalmente, eles desenvolveram uma relação muito mais estreita que uma amizade e em um mês a gente tinha 24 hamsters. A nossa casa parecia um laboratório de cosméticos, com a diferença que a gente tratava bem dos bichinhos e não lucrava com eles. Todos os meus amigos ganharam hamsters de presente. E aprendemos uma lição: Hamsters são lindos, fofos e inteligentes, mas não são como os humanos. E por que isso?

Porque se você coloca um macho e uma fêmea juntos, os feromônios dos hamsters serão mais fortes que qualquer outra coisa e eles vão se reproduzir. Muito! Com seres humanos normais a situação pode ser diferente.

Minha prima tem um grande amigo há mais de dez anos. Eles são tão amigos que se apresentam como irmãos. Durante anos, eles aguentaram perguntas sobre a honestidade daquela amizade. Ontem, na hora do almoço, estavam explicando que finalmente estão namorando pessoas que entendem a diferença de amizade para paquera.

Tem limites? Tem. Mas a amizade entre homem e mulher (ambos heteros) é possível. E é muito enriquecedora! Por que eles não namoram? Porque não querem. Porque estão apaixonados por outras pessoas, porque a relação deles é de amizade e ficou por isso mesmo. Ou simplesmente, porque não estamos falando de hamsters!

Minha tia avó estava almoçando com a gente também. Ela viveu anos casada com meu tio que era uma pessoa adorável, mas ainda com dificuldades de entender sobre relacionamentos. Não deixava ela sair sem ele, não deixava ela viajar, não gostava nem de convidar muita gente pra casa deles. Manias dele e de uma época, mas que influenciavam muito na vida dela. Depois que ela ficou viúva, apesar da saudade imensa, ela conheceu um outro lado da vida. Andou de avião pela primeira vez, foi para a Italia, mudou sua forma de vestir, de fazer projetos pra vida e até de andar.

Durante a conversa do almoço ela pediu para falar. Disse que realmente, não via nenhum problema nessas relações. Contou que tem um vizinho que é viúvo também e que eles se cumprimentam na rua e trocam algumas palavras de vez em quando. Bastou isso para uma vizinha patrulheira vir falar com ela que as pessoas poderiam interpretar mal aquela história. Ora… quando foi que perdemos o direito à amizade?

Uma pessoa viúva com certeza precisa de muitos amigos para superar esse momento. É cruel querer que ela fique sozinha, vivendo de memórias, quando poderia se apoiar em tanta gente, dos dois sexos, até com problemas parecidos, para vencer essa dor.

Em Belo Horizonte não tenho muitos amigos homens (héteros). Tenho um ou outro, que desaparecem quando começam a namorar. Não sei se por medo das namoradas ou de outros patrulheiros. Mas desaparecem (o que me dá certa preguiça, apesar de já ter feito isso também quando tive um energúmeno como namorado, mas passou).

Em Avignon, dei sorte de ter muitos amigos (homens e mulheres). Tomo o cuidado de sempre demonstrar a maior consideração com as namoradas dos amigos. Procuro sempre mandar um abraço pra elas quando envio alguma mensagem pro celular deles. Se tem festa, ou algum evento, convido os dois. Converso com os dois, sou gentil com os dois e não fico encostando muito em nenhum deles! Hehe! Na verdade, acho ótimo poder agregar as namoradas e namorados na turma. Vejo que isso conta muitos pontos pra alegria de um casal, em qualquer parte do mundo. E a gente só tem a ganhar.

Aceitar que é possível uma amizade entre sexos opostos pode ser muito construtivo pra sociedade. E é claro, tem casos e casos. Algumas pessoas abusam? Abusam. Algumas pessoas não são confiáveis? De fato. Tem gente que podendo ser gente, escolhe ser hamster. E nessa hora, minha amiga, o meu faro é de albatroz.

***

Mais:

Foto meramente ilustrativa retirada daqui

Investigação do Mercado Central na CPI dos maus tratos de animais em BH 

A indústria cosmética e os testes em animais

Os ligados em números e os desligados

Publicado em

Só quando me mudei para a França aprendi uma coisa sobre Alexis que ainda não tinha percebido: Ele dava muita importância para quantidades, números, essas coisas. Por exemplo, ele só assistia vídeos no youtube que milhões de pessoas já assistiram. E para me fazer ver, ele usava o mesmo argumento « veja esse vídeo, milhões de pessoas já viram ! Milhões ! ».

Durante o festival de teatro, ele ia nos teatros que estavam sempre lotados, que tinham fila na porta. Um festival com mais de mil peças por dia e ele animado a ficar numa fila para ver uma peça que todo mundo já conhecia. Eu queria as peças que ninguém tinha visto, as peças em que minhas palmas iriam realmente fazer a diferença. Ele queria ser só mais um entre milhares de espectadores de uma produção que considerava garantida.

Meu pai, mesma coisa. Meu pai nunca entra num restaurante que está vazio. Ele fala que isso é mal sinal, que a comida deve estar estragada, que o serviço deve ser ruim. Amo papai, mas ouso discordar. Na minha vida, concluí o contrário. Entrar em restaurante vazio, para mim, é dar uma chance pra quem está começando, ou pra que não soube ou não quis fazer marketing como os outros. Na maioria das vezes o restaurante é tão bom ou melhor que o lotado. Além disso, a gente sente que deixa o doninho ou a doninha do estabelecimento muito felizes com esse estímulo. Também percebi que basta uma pessoa ou um casal aceitar entrar nesses lugares vazios que muitas pessoas criam coragem e entram também. Esse é o valor do primeiro seguidor.

No facebook, quando uma postagem não tem likes, ela não vale nada. Basta a primeira pessoa curtir, várias outras curtem e aí começa a reação em cadeia. É igual dinheiro que atrai dinheiro. Paquera que atrai paquera. Oportunidade que atrai oportunidade. É igual o primeiro abraço do Free Hugs, ou as palmas no pouso do avião. Basta um começar, o colega do lado segue e os passageiros todos aplaudem a maravilha que é chegar vivo no destino.

É de cortar o coração ver como somos desconfiados para dar uma chance e eu sei que temos também outros motivos para desconfiar, mas tente ir pelo seu coração mais que pelos números algumas vezes. Eu, por exemplo, quantas vezes precisei de uma chance… Precisava que alguém aceitasse ser o meu primeiro cliente, o primeiro like, o primeiro chefe, o primeiro sorriso do dia, o primeiro a gostar do que tenho a oferecer, o primeiro a concordar comigo na discussão sobre vegetarianismo. Todo mundo precisa de uma mão estendida, meu amigo. Todo mundo precisa!

Para números e auês sou meio desligada. Não sou muito boa de gritar « oi, olha pra mim, olha só como eu sou muito muito boa nisso que estou fazendo », deveria ser muito melhor, mas tenho sido ótima para reconhecer outros que também não são muito fortes nessa, e são muito muito bons no que estão fazendo!

image (7)

Mais:

Vídeo Free Hugs

Vídeo sobre o first follower (dica da minha amiga Silvinha!)

Vídeo das pessoas que sobem no palco convidadas pela banda Nouvelle Vague. O difícil foi ser o primeiro, depois muita gente sobe. Apareço no vídeo!

Meu site que tenta dizer “Olha, eu trabalho com isso”

 

 

 

Um canal no youtube pro Saída à Francesa

Publicado em

Minha admiração pelo youtube só cresce. Me lembro que a primeira vez que tomei contato com essa ideia, fiquei muito assustada. Eram cenas de violência, escatologia, só coisa repulsiva Cheguei a ficar muito desconfiada de tudo que vinha do youtube. Dá pra acreditar que isso foi há apenas dez anos?

Depois, ao longo do tempo, fomos nos conhecendo melhor. Aprendi que podia contar com o youtube como uma ferramenta de aprendizado para cozinhar, para limpar coisas difíceis, para esconder as olheiras, para estudar Direito, para ver patinação no gelo, para rir, para chorar, para ver documentários, relembrar cenas de filmes, ouvir música e aí! Descobri uma nova função: para conhecer pessoas.

Vivendo em outro país, senti muita necessidade de conhecer a experiência de outras pessoas que, assim como eu, viviam em países diferentes. Conheci o Canal da Cintia Disse que vivia no Canadá, da Flávia Calina, que vive nos EUA, da Gisele Dal Pai que vive em Londres, da Cacau que vive na Suíça e tantos outros. Depois disso conheci outros canais, sobre temas que me interessavam muito também: Educação, Economia, Direito, Biologia, Vegetarianos, Universo da mulher, Consumo Inteligente, Conflitos políticos, etc etc. Conheci canais franceses, americanos, italianos, espanhóis. Gente do mundo todo que, de alguma forma, coincidia ou me acrescentava em algo. A solidão de não ter muitos amigos presentes aqui na França era compensada pela companhia dos youtubers que, generosamente, ensinavam o que sabiam (sim, porque são raros os que podem viver disso, a maioria faz por gosto de compartilhar mesmo). E mesmo após encontrar amigos, era uma alegria descobrir que apreciávamos os mesmos canais. Televisão virou raridade na minha vida. O que as pessoas reais tinham para ensinar parecia mais especial, e mais real (alguns enganam bem, mas acredito que a maioria seja sincera ainda!).

E eu, com minha mania de blogs, pensei que talvez pudesse ampliar isso, vencer um pouco mais esse medo e tentar contar e mostrar as coisas que julgo importantes de outra forma.

Foi aí que criei o canal do meu outro blog, Direito é Legal, e agora crio o deste blog Saída à Francesa, com cenas feitas do celular ou máquina, edição linear ou não.

Espero que goste, mas mesmo se não gostar, espero que possa aprender alguma coisa. Que seja uma pequena porção de bem para o seu dia, como tantos outros canais o são para mim!

Aí vai.

O canal!

O último vídeo:

Quanto vale um “não sei”

Publicado em

Ontem encontrei alguns amigos e entre eles algumas pessoas que eu não conhecia. Uma delas, me pareceu muito simpática. E ela falava sobre filmes, fotografia, viagens. Interessante. Numa das conversas, a pessoa  contou que a França cabia quatro vezes dentro da Argélia, mas que metade da Argélia era deserto. Achei curioso. Aí a pessoa continuou “e quantas vezes cabe a França dentro do Brasil”? Eu nunca tinha procurado essa informação, mas tentei chutar umas 22 vezes. A pessoa balançou a cabeça com dó. Chutei então 15 vezes, a pessoa sorriu e falou “não, na verdade 17 vezes”. Uau! Ficamos impressionados eu e mais alguns amigos ao redor! Perguntei “Como você sabe dessas coisas?”. “Ora, eu leio muito”. Poxa, parabéns! “Gosto muito de Geografia”, completou. Eu também gosto muito de Geografia, mas é certeza que não sei tudo, aliás, algumas coisas que não sei me dão até vergonha, mas acontece.

Perguntei então quantas vezes caberia a França dentro da Rússia. “A Rússia não é mais tão grande”, me disse. Concordamos. Depois do fim da União Soviética, hoje vemos a Rússia menor, mas ainda é muito grande, insistimos. “Não, não é”. A pessoa repetiu. E acabou chamando atenção de mais gente. “A Rússia é menor que a Ucrânia”, afirmou. Achei melhor pegar meu celular. Com a era smartphone não existe mais discussão desse gênero. Todo mundo se agrupou. As pessoas queriam apresentar provas do tamanho da Rússia. Já não era mais uma questão de Geografia. Queriam combater uma ideia. E o pior, estavam combatendo um pensamento muito forte: a arrogância. Parecia perigoso, para os dois lados. Uma pessoa em condição de ser quase humilhada pode ficar perigosa. E o que ganharíamos com isso?

Finalmente, conseguimos mudar de assunto antes que tudo ficasse muito constrangedor. O mesmo ser amante da Geografia começou a falar de um show de jazz que foi assistir. Ótimo! Quem tocava no show? Ele falou o nome. Ah, não conheço. “Nossa, então você não sabe nada de Jazz”.

Informações complementares: Segundo o google, o Brasil mede 8.516.000 e a França mede 640.679 km² (e segundo a wikipedia 543 965 – isso se deve, talvez, por conta de territórios ultramar que a França possui). Dividindo um pelo outro, pela referência google o Brasil comportaria 13 Franças inteiras e mais um pedacinho, e pela referência wikipédia, 16 Franças inteiras e mais um pedacinho. O Brasil caberia duas vezes e um pouquinho dentro da Russia (de tamanho 17.100.000 pelo google), o que dá em torno de  26 Franças dentro da Rússia, se contarmos pela versão do google!

Ame Geografia!