Assinatura RSS

Arquivo da tag: urbanismo e urbanização

O que você poderia saber sobre Avignon antes de vir pra cá

Publicado em

Quando cheguei em Avignon, há dois anos e meio, não sabia muita coisa. Achava que sabia! Mas nãaaa… Muita coisa que eu entendia como universal, não funcionava para a vida aqui. Muita coisa que eu não sabia que existia, passou a fazer parte da minha vida. Foi assim que, aos poucos, fui conhecendo e tentando entender melhor não só Avignon, mas também a França e, por mais incrível que pareça, também o Brasil e minha cidade, Belo Horizonte.

O tema Cidades é o meu preferido. Peter Smith do Guidebook da Vida Urbana disse algo do tipo “Quero estudar as cidades para entender a história da gentileza”.

Então, para quem está vindo a turismo ou para morar, deixo aqui algumas lições que aprendi na prática. Espero ajudar!

IMG_2312

  • Avignon é uma cidade em julho e outra nos outros meses.

Por isso, vou falar praticamente da cidade dos outros meses. Porque em julho tem o maior festival de teatro do mundo aqui e tudo vira festa! E é muito muito muito bom!

  • Você não achará táxi com facilidade.

Não é comum pedir táxi aqui. Eu mesma nem sei telefone de tele-táxi e quase não vejo taxi na cidade. Não sei se eles aceitariam fazer corridas por valores muito baixos… Só andei uma vez num táxi que encontrei por sorte na estação de trem mais distante e foi por causa do frio.

  • Programa no shopping é uma ideia que não existe.

Eu não tenho nada contra shopping. Acho até agradável andar em shopping quando não está lotado e desde que não seja a única opção de programa pros dias livres. Mas aqui essa ideia não é nem considerada. Os shoppings e centros comerciais até existem, mas eles nem tem praça de alimentação, nem são feitos para a gente reencontrar amigos. É apenas chegar, comprar e ir embora.

  • É mais fácil andar de bicicleta que de carro.

A cidade tem duas partes. A parte medieval, dentro dos muros e a parte industrial e residencial fora dos muros. Dentro dos muros os carros não cabem mais, mas eles entram. E ficam congestionados, as vezes até entalados mesmo nas ruas muito estreitas. Fora dos muros, ainda é possível fazer muita coisa de bicicleta e transporte público. Os carros fazem falta principalmente para viajar ou para grandes compras e mudanças. Mas se você pode dar preferência para a bicicleta, por que não?!

IMG_9280

  • Nem tudo é acessível para cadeiras de rodas ou carrinhos de bebê.

Simplesmente não sei como as pessoas que precisam de acessibilidade poderiam fazer para viver aqui. Não estou falando de órgãos administrativos, nem dos grandes teatros. Estou falando de entrar em restaurantes, visitar amigos e as vezes até andar nas ruas fininhas que nem calçada têm. A cidade é medieval e muitas coisas continuam com a mesma estrutura. Elevador é um conceito pouco visto na cidade.

  • Feiras! Muitas feiras!

Se você não gosta de feiras, Avignon é o lugar ideal para começar a gostar. Se já gosta, vai se esbaldar! Feiras de objetos usados, feiras de produtos naturais. Feiras de produtores que não destroem o planeta para ganhar dinheiro. Obrigada, França, por me fazer apaixonar (ainda mais) por essa ideia!

IMG_9661

  • Não é comum comer em restaurante todos os dias.

Comer fora aqui é muito caro. No Brasil, pode ser caro e pode não ser caro. Não adianta me dizer que é sempre caro. Quando eu trabalhava na Savassi, almoçava fora todos os dias, pratos deliciosos e não chegava nem perto dos preços daqui. Aqui, ou você compra um congelado, ou você aprende a cozinhar. Comer em restaurante todos os dias, mesmo para um turista, é uma coisa que pode ficar muito pesada.

  • Todo o comércio fecha depois das 19h. E nada abre domingo.

Isso está para mudar. Mas ainda não mudou. Depois das 19h só tem restaurantes. E mesmo restaurantes não recebem muita gente depois de 21h30. Se quiser chegar mais tarde, reserve antes. Se quiser comprar coisas depois de 19h, alguns mercadinhos árabes ficam abertos. Mas o que era aqui perto da minha casa já fechou…

  • Quando alguém te convida para jantar, não necessariamente será um jantar chique.

Acho legal que as pessoas convidem para jantares normais, sem grande ostentação. Mas geralmente a gente leva ou uma garrafa de vinho ou uma sobremesa (de preferência feita em casa). Eu adoro jantar na casa das pessoas, mas, cá entre nós, falando de brasileiro pra brasileiro : come uma banana antes de ir.

  • Não espere muita gentileza e civilidade urbana. Mas espere um pouco.

Aqui tem de tudo. Não é porque conseguiram se colocar no posto de « país de primeiro mundo » que já nascem educados e fofinhos. Por isso, quando vejo alguém falando mal do Brasil, penso que talvez essa pessoa devesse viajar mais. Aqui tem os mesmos problemas do Brasil, mas com mais dinheiro. Muitos jogam lixo na rua e a rua é suja. Muitos furam fila e acham que é normal. Muitos se recusam a prestar pequenos favores ou a dar informação. Muitas motos passam arrancando nossos tímpanos. A sorte é que não são todos. Muitos ainda são boas pessoas mesmo com estranhos!

IMG_9803

  • Não use salto em Avignon. Simplesmente.

Para andar na cidade o salto é muito desagradável porque há muita pedra e fenda nas ruas. Mesmo em ambientes fechados, não é muito comum ver gente de salto. Nas nossas festas, todo mundo que veio de salto teve que pedir chinelo emprestado. Porque pra dançar no taco daqui, sapato baixo era muito melhor. Mas isso não é uma regra absoluta, claro que para ocasiões especiais, tudo é possível.

  • Não confie nas pessoas da rua. Por enquanto.

Avignon já foi considerada a cidade mais delinquente da França. Descobri isso outro dia e fiquei muito assustada. Mas calma! Hoje ela é apenas a 14a mais pobre da França e diminuiu o nível de delinquência. Mesmo assim, além de ter muita gente na rua que até te segue para pedir dinheiro, com as mulheres ainda acontecem situações mais chatas. Existem, por exemplo, os « convidadores para sair » que costumam ser homens com aparência de educados que passam o dia na rua chamando as mulheres para beber algo com eles. Eles estão sempre na rua e chamam uma a cada cinco mulheres que passam pra sair com eles. Não sei o que acontece depois. Mas não recomendo confiar. Fora isso, os homens mexem com as mulheres tanto ou mais que no Brasil na rua. Outro dia, em uma hora de caminhada no centro de Avignon, contei cinco comentários hostis e um semi-simpático. É tanto abuso masculino que isso desencoraja as mulheres a saírem de casa. Nas ruas acaba havendo um desequilíbrio entre gêneros (e, aff, não só nas ruas).

  • O vento!

O vento aqui tem nome. Ele se chama Mistral. Isso porque ele vai entrar na sua vida e na sua casa e vai se fazer notar. No verão, ele é um bálsamo para o calor de 40 graus que enfrentamos. No inverno, ele testará as suas forças. Entrará dentro do seu casaco e congelará o seu sangue. Não há um ser vivo que resista a esse vento sem proteção. Por isso, no último inverno, acolhemos o máximo de gatos possíveis, que felizmente foram adotados. Luvas, cachecóis e gorros. Você vai precisar. E minha avó aceita encomendas, eu acho!

ventoAvignon

  •  Programas ao ar livre em dia de sol!

As pessoas amam sair para sentar na grama quando o dia está ensolarado. E isso eu amo mais que tudo!!! Amigos e uma cesta de piquenique fazem meu dia mais feliz. Queira isso. Sempre! Na sua cidade também!

IMG_9775

  • Avignon não é uma pequena Paris.

A maioria das pessoas dessa região não é muito fã dos parisienses… Então não adianta fazer o discurso de que ama a França e falar de Paris. Eles podem entender mal. Em troca, Avignon tem lindos jardins e está numa região maravilhosa de produção de azeite, lavandas, mar de girassóis. Esteja preparado para ver coisas muito bonitas completamente diferentes de Paris. Mas é maravilhoso. Van Gogh se apaixonou pela Provence. Dê ouvidos à ele!

IMG_6369

  • Os restaurantes turísticos das praças mais turísticas: Evite.

Eles podem ser os piores possíveis, com a pior comida e o pior atendimento do mundo. Isso gera alguns traumas. Mas os outros são bons! Alguns dos meus preferidos são restaurantes de estrangeiros como caribenhos, vietnamitas, italianos, indianos, árabes, chineses e até ingleses. Os franceses também podem ser muito bons como o Offset (excelente o prato vegetariano), o Ginette e Marcel (para café), o Chapelier Toqué (comandado por um moço de Gana), todos os restaurantes vegetarianos, os dois kebabs da place de Corps Saint (que vendem kebabs vegetarianos e ganharam troféu Didi melhores Kebabs de Avignon), o sucão da rua De la Republique e todas as creperias e muitos mais!

  • Avignon não é uma cidade para fazer compras.

Se você vem a turismo, não escolha Avignon para fazer compras. Além de não ter tanta opção como muitas outras cidades, Avignon não é tão barata assim. Porém, tem lojas o suficiente para você, que vive aqui, poder se bastar sem ter que sair da cidade.

  • Muitos aluguéis em Avignon não contam o mês de julho.

Em média, por 450 euros mensais você consegue um quarto ou um estúdio ok em Avignon. As vezes, até com água, eletricidade e internet inclusos. Mas em julho os preços de aluguéis aumentam muito por causa do festival de teatro. Tente negociar antes de fechar o negócio. Alguns amigos conversaram com os proprietários dizendo que só aceitariam o aluguel se pudessem ficar pelo mesmo preço no estúdio ou quarto em julho. E conseguiram!

  • Quanto menos industrializado, mais apreciado.

Embora possa parecer um exagero algumas vezes, esse é um ponto que reconheço cada vez mais como certo. No mundo de hoje, a cada vez que você compra uma garrafa de leite normal, você está contribuindo para uma indústria nojenta que desrespeita a vida e a natureza ao máximo. Além disso, o que é feito apenas pensando no lucro, nem sempre leva em consideração a saúde do consumidor. Mas os abusos não ficam apenas na indústria alimentícia do discurso francês. Indústrias têxteis, farmacêuticas, cosmética, de entretenimento, da construção e até de eletrodomésticos também jogam (MUITO) sujo. Reflita!

compotesIMG_9207

  • Nem todos os passeios para turistas aqui valem a pena.

Mas, bom, é você que sabe. Eu ia até enumerar alguns, mas pra quê, né ?! Você é que sabe mesmo! Fora que eu tenho amigos que são guias e são uns fofos! Se estiver de bom humor e em boa companhia, tudo vale a pena na verdade. Vou apagar esse tópico. Não, não vou não. Apenas leve em consideração!

  • Se você vem para estudar, a faculdade é linda, tem coisas muito legais, esportes e atividades variadas, mas tem suas peculiaridades também.

Vai com calma. Respire fundo. Se precisar, estou aqui.

IMG_7705

  • Avignon tem uma vida cultural muito legal!

Você pode ter coisas legais para fazer todos os dias! Aulas de dança gratuitas, restaurantes em que você paga o quanto quiser, shows de todo tipo de música, teatros, cinemas não comerciais e maravilhosos, exposições, festivais, encontros de amigos, tardes de tricot, rodas e conversas sobre temas sugeridos, patinação pela cidade, grupos de jogos, e até noites de forró. Basta procurar em sites como Le Bon Plans d’Avignon, eventos de Facebook ou mesmo o meu recém-nascido Découvrons Avignon!  Apesar disso, grande parte da população vive uma vida meio reclusa, só no videogame, seriado e fast food. É uma contradição. Até com o próprio clichê francês! Mas que existe para todo lado.

  • Os horários para comer são mais estritos.

Se você tiver que comer fora, é bom almoçar entre 12h e 13h20 da tarde. Depois fica arriscado não encontrar mais restaurante (francês) aberto em Avignon. Não é comum comer entre as refeições, por isso não é tão fácil encontrar lugares para lanchinhos na parte da tarde. Não existem pequenos sanduíches. Todos são grandes porque são feitos para substituir uma refeição. Logo, não existe nada pequenininho como uma empadinha, coxinha, juscelino, enrolado, charuto, pão de queijo, bolinho… Que saudade do Brasil!

  • Disputas políticas e tensão no ar.

Há uma grande rivalidade entre direita e esquerda atualmente (nossa, que país diferente!). Nem todos os moradores daqui gostam de estrangeiros. E nem todos os estrangeiros que moram aqui gostam do pessoal de Avignon. Há um clima tenso no ar. E muito delicado. Enquanto algumas pessoas picham palavras de ódio nas paredes, outras  fazem intervenções urbanas para falar com humor da situação crítica. Por isso, se você vier (ou mesmo se não vier), apesar de todos os problemas que encontrar, tente trazer um pouquinho mais de amor, de tolerância e de paciência, ok?!

IMG_7908(amigos do grupo de Couchsurfers, que se reune todas as quartas em Avignon, experimentando pão de queijo)

 

IMG_9455(minha gatinha e as flores do canteiro!)

Anúncios

Um dia de seminário

Publicado em

Existe uma expressão tanto em português quanto em francês que diz “dá a mão, quer o braço”. Essa expressão dispensa explicações, mas outro dia, encontrou uma demonstração!

Na última sexta-feira foi realizado um seminário na faculdade e a organizadora havia pedido à turma para ajudar em alguns pontos. Muitos se dispuseram a participar da recepção, mas quando ela pediu para ajudarem no audiovisual, todos ficaram calados. “É fácil, vocês só precisam ajudar o responsável por isso a colocar os nomes e legendas de cada convidado”. Concordei com o serviço, eu tinha a sequência de nomes no programa, não era nada complicado. No entanto, informei que terei que sair um pouquinho mais cedo, pois iria viajar. Ela disse que não serviria, que eu teria que me arranjar. M’arranjei.

Um dia antes, ela me mandou um e-mail quase meia-noite dizendo que toda a ordem havia mudado, muitos nomes estavam cancelados e outros seriam inseridos. Também me pediu para chegar meia hora mais cedo do que o previsto. Anotei tudo, mudei tudo no meu roteiro, não dormi direito com medo de perder a hora e cheguei lá cedo.

Assim que a encontrei e falei “bom dia”, a mulher começou a reclamar que eu não falava francês. Expliquei que era de origem diferente, mas que entendia o francês e que para esse trabalho não haveria problema algum. Mesmo assim, ela não se convenceu. Disse que precisaria de alguém para o powerpoint também, que talvez eu não fosse boa o suficiente (para passar os slides…). Falei que eu poderia fazer, mas que caso eu ficasse muito presa no lugar em que estava o pessoal do audiovisual, poderíamos pedir a outra pessoa.

Pedimos. Outro colega aceitou o serviço. Depois, não sei por quê, ele desistiu, sem me avisar. A mulher veio me cobrar uma explicação sobre ele e sobre onde estariam os pen-drives com as apresentações. Eu não sabia e não tinha como saber. Ela ficou nervosa. Disse que ela ia fazer o powerpoint. “Ok”, eu disse.  Na hora de passar o troço, ela ficou sentada como uma besta. E eu fui (também como uma besta) passar o tal do ppt.

Quando voltei, ela reclamou que a legenda de um dos debatedores estava abreviada. Expliquei que a legenda era grande demais inteira, por isso abreviamos. Ela reclamou de novo, começou a falar entre os dentes, como se estivesse com ódio. E estava. Mudamos a bendita legenda para o que ela queria. Ficou feio. Suspirei.

O seminário contava com a presença de ministros, prefeitos, políticos em geral e muita gente importante para falar de um assunto que eu adoro: Urbanismo. Teria sido um excelente seminário se cada um tivesse contado alguma experiência prática, idéias novas e aprendizados. Somente alguns poucos debatedores apresentaram experiências. Os outros se limitaram à teoria e aos discursos enormes, quando o previsto era apenas 10 minutos para cada. Achei falta de educação.

Na hora do coquetel, eu estava conversando com uma colega do mestrado, quando a organizadora veio marcar presença: “Então, tivemos um problema lá, né?!”, disse a simpática. Eu expliquei que não sabia que o menino do powerpoint tinha desistido, mas que por fim deu tudo certo. Ela continuou “não estou falando disso, estou falando da abreviatura na legenda”. E minha colega perguntou se por acaso aquilo seria grave. E ela começou a reclamar que poderia ser muito grave, que as pessoas vão ficar reclamando com ela… Respirei fundo. “Olha, eu estou aqui para fazer o melhor possível. Achamos melhor abreviar porque as referências dele estavam muito grandes. Se alguém reclamar com  você pode falar que foi minha responsabilidade. Que se tiver alguém para fazer isso melhor, que faça no meu lugar”, cortei.

Depois disso ela melhorou comigo. Começou a falar que não tinha problema, que aconteceram muitas mudanças no programa, e que ninguém teria direito de reclamar. Eu olhei o relógio e disse que já era hora de voltar porque eu tinha ficado de ajudar o senhorzinho do audiovisual a passar o nome dos outros debatedores antes de recomeçar segunda parte. Ela achou impressionante que eu iria sair antes de almoçar e falou para eu não ficar me exigindo tanto. Eu, que já tinha comido um cheeseburguer escondida na lanchonete em que trabalhei, falei com ela que “imagina, a responsabilidade em primeiro lugar!”. Como eu me gabei nesse momento!!!

De tarde, tudo se passou melhor! Um dos debatedores adorou o fato de que eu era brasileira, e toda hora vinha falar alguma palavra que ele sabia em português. “Oi! Saudade”, “Oi! Bahia de todos os Santos!”. Era sem sentido, mas era bonitinho! Achei muito legal conhecer a ministra responsável pela descentralização na França. Um trabalho que eu adoraria acompanhar mais de perto!

FotoMinistra

Um outro debatedor, também muito simpático, me ofereceu um livro de presente. Mas eu sou tão desacostumada com esse tipo de oferecimento que falei “Ah, obrigada, mas eu já tenho esse livro” (e tinha mesmo). Boba! Era a chance de conseguir um contato profissional legal. Que vontade de dar control Z na vida de vez em quando…

Naquele dia cheguei a pensar em nunca mais me oferecer para ajudar assim aqui na França, porque eles abusam com muita facilidade. E poucas vezes agradecem. Mas depois vi que a minha maior recompensa nem viria da pessoa que me pediu a ajuda, mas dos gestos solidários dos meus colegas de sala que nunca tinham conversado comigo e que, de repente, começaram a me chamar de Didi, começaram a me inserir nas rodas e passaram a se interessar mais pela minha presença. Também nas pequenas atenções dos participantes, que me cumprimentavam com apertos de mão, e se sentavam do meu lado, oferecendo sorrisos e comentários engraçadinhos. No fundo, qualquer trabalho, seja ele voluntário ou não, desde que digno, enobrece as pessoas. É como se a gente dissesse para o mundo: Vejam só, eu não sou completamente inútil!

Quando o seminário finalmente terminou (o final foi cansativo, viu?! Sugiro menos horas por dia para essas atividades), eu agradeci o senhorzinho do audiovisual pelo dia de trabalho (ele era muito gentil). E fui saindo de mansinho para a minha viagem. “Bonne weekend, merci beaucoup”, ouvi. Era a organizadora me agradecendo. Que milagre!